Ansiedade: o que é, quais são os sintomas e como tratá-la A ansiedade é normal e faz parte da vida de todos os seres humanos. Mas será que a sua pode ser patológica? gplus
   

Ansiedade: o que é, quais são os sintomas e como tratá-la

A ansiedade é normal e faz parte da vida de todos os seres humanos. Mas será que a sua pode ser patológica?

Confira Também

A ansiedade sempre fez parte da vida de todos os seres humanos, em todas as épocas e culturas. Até certo ponto, ela é totalmente normal. Mas, dependendo da quantidade, da gravidade e do grau de afetação que ela tem na qualidade de vida, ela passa a ser patológica. Devido às grandes pressões e cobranças sociais que recaem em praticamente todas as mulheres, ela é mais frequente nelas do que nos homens. Será que você tem um transtorno de ansiedade? 

Quais as diferenças entre a ansiedade normal e a patológica?
Segundo o médico neurologista Leandro Teles, que é professor na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e atende em importantes hospitais na cidade de São Paulo, a ansiedade é um processo físico e mental ativado em situações de medo e receio. Ela é normal quando se trata de um sentimento de aflição e receio, com alterações físicas como taquicardia, sudorese, tremores etc., em momentos específicos, em que há proporção entre as sensações e o risco envolvido. Todo o mundo se sente ansioso em situações como: dia do casamento, tentativa de assalto, entrevista de emprego... Este tipo de ansiedade inclusive ajuda o ser humano, porque o cérebro fica mais “esperto”, mais apto a tomar decisões rápidas. Já a ansiedade patológica é a sensação de aflição que ocorre em situações comuns do dia a dia ou em situações desproporcionais ao risco. A doença existe quando a ansiedade atrapalha a qualidade de vida da pessoa. A patologia faz com que a percepção da pessoa seja afetada, bem como a capacidade de tomar decisões. Isso evolui para restrições sociais, impactando em diversos aspectos da vida.

Quais os principais sintomas da ansiedade?
Os principais sintomas são: fadiga, angústia, insônia, sensação de falta de ar ou de respiração curta, confusão mental, instabilidade ou sensação de desmaio, dores no peito, taquicardia, sudorese, tremores, sensação de boca seca, tensão muscular, sensação de “nó” na garganta, dificuldade em relaxar, tonturas, necessidade urgente de defecar ou urinar, sensação de impotência, irritabilidade, dificuldade em engolir e vômitos incontroláveis.

Quais são os tipos de transtorno de ansiedade?
1. TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada). É a forma mais comum de ansiedade patológica, em que a pessoa se sente boa parte do tempo excessivamente tensa, de forma desproporcional aos eventos do dia a dia. Os principais sintomas são irritabilidade, sensação de respiração curta etc.. Eles podem oscilar em intensidade durante o dia, mas ocorrem de forma constante praticamente todos os dias.

2. Síndrome do Pânico. Trata-se do aparecimento de crises intensas e repentinas de ansiedade. É uma forma dramática e incapacitante da doença. Podem ocorrer em situações específicas ou “do nada”. A pessoa tem sintomas físicos e psíquicos muito fortes, que incluem sensação de morte iminente, medo extremo, desespero, angústia, dor no peito, falta de ar, tremores, sudorese fria e taquicardia.

3. Agorafobia. É uma complicação do pânico e das fobias. Ocorre quando a pessoa que já passou por uma forte crise de ansiedade tem medo de ter novas crises. Esse receio leva a uma tensão antecipatória e faz com que a pessoa evite lugares onde possa ter dificuldade em pedir ajuda ou escapar. O que acaba acontecendo é o isolamento social progressivo. 

4. Estresse Pós Traumático. Ocorre quando os sintomas de ansiedade surgem após um trauma específico intenso, como sequestro, violência, ameaça e acidente. A pessoa se sente ansiosa quando passa por eventos similares ou que, teoricamente, poderiam levar novamente ao acontecimento do fato em questão. São comuns flashbacks e pesadelos relacionados ao trauma.

5. TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Ocorre quando pensamentos obsessivos trazem ansiedade, e ela só é aliviada por comportamentos compulsivos, que são repetitivos e desmotivados, como lavar as mãos repetidamente, compulsão por simetria, limpeza, comida, jogos.
 
6. Fobias Específicas. Acontece quando a pessoa manifesta ansiedade intensa diante de determinada situação ou objeto. Por exemplo: elevador, avião e altura.

7. Ansiedade Orgânica. É a abstinência a medicamentos. Pode ocorrer em razão do uso de drogas, do hipertireoidismo etc.

A ansiedade patológica atinge mais homens ou mulheres? E em qual faixa etária?
Os transtornos são mais frequentes em mulheres, e atingem principalmente jovem adultas(os).

Quais são as principais causas para o desenvolvimento da doença?
Elas são complexas e variam muito de indivíduo para indivíduo. Segundo o neurologista Leandro Teles, existe uma predisposição genética, mas vários fatores ambientais (estilo de vida, pressão social, traumas) influenciam, e muito, no início e no agravamento da patologia.

Quais são as formas de tratamento?
Primeiro, é preciso reconhecer os sintomas. Em seguida, é importante buscar ajuda especializada. Não tenha medo! É difícil, mas vai valer a pena quando você começar a se sentir melhor. As formas de tratar podem ser por psicoterapia, medicamentos, mudanças no estilo de vida (atividade física, alimentação balanceada, evitar álcool e estimulantes, meditação...). É muito importante que a ansiedade seja tratada para que os sintomas não se compliquem, levando à insônia, ao isolamento, à incapacidade para trabalhar e se relacionar.