Tiques e Síndrome de Tourette na infância Conheça os tiques e a Síndrome de Tourette e saiba o que fazer caso seu filho apresente os sintomas gplus

AreaH - Baixe grátis na Apple Store

AreaH - Baixe grátis na Google Play

   

Tiques e Síndrome de Tourette na infância

Conheça os tiques e a Síndrome de Tourette e saiba o que fazer caso seu filho apresente os sintomas

Confira Também

Seu filho realiza movimentos repetitivos e involuntários, e você não consegue entender bem o porquê? Acha que ele pode sofrer de tique ou de Síndrome de Tourette? Se sim, vale a pena saber um pouco mais sobre as doenças.

Entrevistamos a psiquiatra Ana Gabriela Hounie, doutora em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP e pesquisadora de tiques e Síndrome de Tourette. Segundo ela, os tiques podem ser movimentos motores ou caracterizado por algum barulho (vocais)

Entre os motores, alguns exemplos são: piscar os olhos, desviar o globo ocular, fazer caretas e torcer a boca ou o nariz. Quanto aos vocais: coçar a garganta, fungar, cuspir, estalar a língua, chiar, ou qualquer outro som. [Para mais exemplos de tiques, visite o site da ASTOC, uma associação que traz conhecimento e presta acolhimento gratuito a pessoas que sofrem de Síndrome de Tourette e de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)].

Síndrome de Tourette
Se seu filho apresenta tiques motores E vocais (não necessariamente de forma simultânea, podendo variar ao longo da vida), ele pode ter a chamada Síndrome de Tourette.

Segundo Ana Gabriela, os tiques geralmente aparecem por volta dos 7 anos, em forma de tiques motores, como piscadela de olhos. Depois, quando a criança já tem por volta de 11 anos, podem surgir tiques vocais, como pigarros, fungadelas e tosse.

A intensidade dos tiques é variável, afirma a médica. Eles podem ser quase imperceptíveis, como um leve levantar de ombros, até espalhafatosos como saltos ou fortes latidos. Às vezes, eles são “camuflados” em atitudes corriqueiras, como afastar o cabelo do rosto ou ajeitar a roupa, sendo reconhecidos pelo seu caráter repetitivo. 

Além disso, a Síndrome de Tourette pode ter relação nas crianças com comportamentos hiperativos, automutilatórios, distúrbios de conduta e de aprendizado. Também geralmente está relacionada ao TOC e a sintomas obsessivos em geral.

O que causa a Síndrome de Tourette e os tiques?
A causa permanece desconhecida. Ana Gabriela aponta que há influência de fatores genéticos, neurobiológicos, psicológicos... Os tiques tendem a piorar diante de eventos estressantes, não necessariamente desagradáveis. O ambiente escolar, familiar e os relacionamentos podem estar relacionados ao desencadeamento da Síndrome e dos tiques.

Como são tratados os tiques e a Síndrome de Tourette?
O tratamento, em geral, deve ser feito por duas abordagens: psicossocial e farmacológica (medicamentos). Antes de iniciá-lo, os pais devem fazer uma avaliação dos tiques: onde estão localizados, com que frequência a criança os repete, qual a intensidade e quanto isso interfere na vida dela. A estrutura psicossocial da criança também deve ser analisada: seu ambiente escolar, familiar, seus relacionamentos...

Quanto à medicação, a psiquiatra afirma que só deve ser usada em casos excepcionais, em que realmente haja necessidade, sempre nas menores doses possíveis. E, é claro, com acompanhamento médico. Não foi encontrada, até hoje, cura para os tiques e para a Síndrome. O medicamento só ajuda no alívio dos sintomas. 

O tratamento psicológico inclui orientação aos pais, familiares e àqueles que convivem com a criança, como seus educadores. É importante fornecer informações a respeito das doenças, suas características e como lidar com a criança. Deve-se cuidar para que ocorra o mínimo de estigmatização.

Quando necessário, também deve ser feito tratamento por psicoterapia. A psicoterapia comportamental, principalmente, pode ser uma boa escolha.