Seios de brasileiras estão cada vez menores Segundo especialista, as brasileiras reduziram, em média, 100ml das próteses no busto gplus

AreaH - Baixe grátis na Apple Store

AreaH - Baixe grátis na Google Play

   

Seios de brasileiras estão cada vez menores

Segundo especialista, as brasileiras reduziram, em média, 100ml das próteses no busto

Confira Também

O boom dos seios fartos pode ter chegado definitivamente ao fim. A cada dia, aumenta a procura nos consultórios dos cirurgiões para a troca das próteses grandes de silicone por versões menores e mais compactas. A tendência, segundo a cirurgiã plástica Ivanoska Filgueira, se confirma cada vez mais nos procedimentos realizados diariamente.

“Percebemos atualmente que as mulheres que procuram o implante do silicone, e até mesmo as que precisam trocar a prótese, optam por tamanhos mais discretos, menos avantajados”, confirma Filgueira, que é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Segundo a especialista, a queda é considerável. “Já chegamos a usar modelos de até 400ml na época da moda dos seios fartos, mas agora dificilmente uma prótese ultrapassa os 300ml”, compara a médica, que atende em Brasília.

A tendência por seios menores é um reflexo do gosto do brasileiro, que é mundialmente conhecido por valorizar o bumbum. “Se por um lado percebemos a redução do tamanho dos seios, há ainda o aumento da procura por glúteos mais avantajados”, conta Ivanoska. 

Na visão da cirurgiã, além do modismo, a procura por próteses menores também está relacionada com o menor risco de algum tipo de sequela pós-cirúrgica. Segundo ela, as próteses muito grandes, além de já não proporcionarem mais um efeito estético procurado, ferem os tecidos da região, provocando um estiramento do revestimento cutâneo.

“A implicação é o aparecimento de uma série de estrias irreversíveis e que incomodam muitas mulheres. Sem dúvida, o implante de próteses menores implica em menos risco”, conclui a médica.