Ciúmes do novo irmão: como lidar? Especialista explica como lidar, de forma simples, com o ciúmes inevitável dos irmãos mais velhos gplus

AreaH - Baixe grátis na Apple Store

AreaH - Baixe grátis na Google Play

   

Ciúmes do novo irmão: como lidar?

Especialista explica como lidar, de forma simples, com o ciúmes inevitável dos irmãos mais velhos

Confira Também

A espera de um bebê na família é motivo de muita alegria para todos. Porém, quando já se tem um pequeno em casa, a gravidez pode também se tornar um motivo de preocupação. Nem sempre o primogênito aceita esse presente com muita alegria. Alguns podem se sentir inseguros e com medo. Isso pode gerar um sentimento que talvez a criança nunca tenha tido: o ciúme.

Com o nascimento do irmão caçula, sentir um pouquinho de ciúmes é inevitável, afinal, toda a atenção que sempre foi voltada para ele ficará concentrada no recém-chegado. Mas, a demonstração de ciúme pode variar. É comum, por exemplo, que o primogênito tenha reações agressivas em relação ao bebê, como ficar desobediente, ter episódios de choros sem motivo diariamente, fazer birras ou regredir em alguns comportamentos (como querer usar a chupeta, mamadeira ou ter que usar fralda novamente). Todos esses comportamentos têm um único objetivo: chamar a atenção da família. Caso tudo isso ocorra, não fique aflita. A situação, por mais difícil que pareça, é natural e deve ser trabalhada normalmente no dia a dia.

De acordo com o pediatra Carlo Crivellaro, para ajudar a criança a entender essa nova fase da família é preciso muita atenção e uma dose extra de paciência. “Não espere a criança ter comportamentos inadequados para prestar atenção nela. Por mais cansativo que seja, divida seu tempo entre os cuidados com o mais novo e o mais velho”, comenta o médico.

Portanto, a chave para lidar com essa situação está no envolvimento com a chegada do mais novo membro da família, respeitando, é claro, as limitações do irmão mais velho. “Peça pequenas coisas para ele, como pegar a fralda na gaveta, limpar a boquinha do irmãozinho, entre outras coisas fáceis de fazer”, recomenda Crivellaro. Isso fará com que a criança se sinta incluída nos cuidados com o bebê. 

Elogiar os bons comportamentos e demonstrar carinho, como abraçar e dar pequenos agrados, também pode ajudar neste momento, que, a princípio, seria de apreensão. “E quando ele tiver um comportamento inadequado, não se exalte, pois quanto mais importância você der, mais fará parecer que aquilo está fazendo sucesso. Tente se mostrar indiferente”, recomenda o médico.

Outra dica importante é, desde o início da notícia da vinda de um irmão mais novo, incluir o primogênito na decoração do quarto, nas compras para o bebê, na preparação e no crescimento da barriga. Tudo isso pode facilitar o sentimento de “posse” da criança, tornando a vinda do irmão como um plano conjunto de toda a família.

Escutar a criança também faz parte do processo de adaptação. “Converse sobre o assunto com seu filho. Deixe ele falar como está se sentindo, deixe claro o quanto ele é amado e que existe espaço suficiente no seu coração para os dois. Quem já passou por isso, sabe que não é uma tarefa simples. No entanto, cabe a nós ajudar os pequenos a lidar com esse sentimento tão novo e conflitante”, comenta Crivellaro.  

Por fim, fica o ensinamento: se o filho mais velho recebe amor, compreensão e atenção dos pais, haverá ciúme e rivalidade, porém de forma mais branda e controlável.