10 mitos e verdades sobre a pílula do dia seguinte Há muitas dúvidas sobre os riscos e benefícios do comprimido. Veja o que especialista diz sobre isso gplus

AreaH - Baixe grátis na Apple Store

AreaH - Baixe grátis na Google Play

   

10 mitos e verdades sobre a pílula do dia seguinte

Há muitas dúvidas sobre os riscos e benefícios do comprimido. Veja o que especialista diz sobre isso

Confira Também

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda que todas as mulheres do planeta usassem corretamente qualquer um dos métodos anticoncepcionais existentes, cerca de 6 milhões de gestações inesperadas ocorreriam. Essa estimativa assustadora dá uma dimensão da possibilidade de falha nas estratégias disponíveis para evitar uma gravidez, sem falar na quantidade de gente que não pensa em ter filhos e, mesmo assim, não se protege direito contra uma gravidez indesejada. Cenários como esses ajudam a explicar por que a conhecida “pílula do dia seguinte” passou a ser tão procurada nas farmácias por milhões de mulheres dos os dias.

Entretanto, apesar do seu uso constante, a pílula só é recomendada em casos emergenciais, pois o medicamento não substitui os métodos contraceptivos tradicionais. Para o Dr. Élvio Floresti Junior, ginecologista e obstetra formado pela Escola Paulista de Medicina, a pílula do dia seguinte deve ser utilizada com muita cautela. “Ela deve ser ingerida apenas em situações de risco, como o estouro da camisinha ou em episódios de violência sexual, por exemplo. A informação e a prevenção ainda são as melhores maneiras de se evitar uma gravidez indesejada”, ressalta.

Pensando em como deixar as mulheres mais bem informadas a respeito da pílula, o médico comenta o que é verdade e o que é mentira entre as sentenças comuns normalmente atribuídas à pílula. Tire suas dúvidas e não esqueça que a camisinha, além de contraceptivo, previne doenças sexualmente transmissíveis.

A PÍLULA DO DIA SEGUINTE AGE COMO UMA “BOMBA DE HORMÔNIOS” NO ORGANISMO DA MULHER
VERDADE. A pílula do dia seguinte é composta de um hormônio de progesterona chamado levonorgestrel e possuiu uma dosagem bem alta, pois o intuito é impedir que ocorra a ovulação, assim como não preparar o endométrio para a implantação ovular. Por esta razão, pode se dizer que é uma bomba hormonal. Além disso, pode produzir efeitos colaterais como enjoos, mal-estar, retenção hídrica (edema) e disfunções menstruais. 

É POSSÍVEL QUE A PÍLULA DO DIA SEGUINTE CAUSE (OU CONTRIBUA PARA) A OCORRÊNCIA DA GRAVIDEZ ECTÓPICA, OU SEJA, FORA DO ÚTERO
AO QUE TUDO INDICA, SIM. A explicação para isso é que a pílula do dia seguinte diminui o movimento natural das trompas. Só que é a atividade dessa estrutura que faz com que o óvulo fecundado seja enviado ao útero para se desenvolver. Então, se as trompas não se movimentam, o óvulo pode ficar parado ali. E é aí que está o perigo. Com o desenvolvimento do feto no lugar errado, as trompas podem se romper, causando uma hemorragia. Vale lembrar, no entanto, que a causa mais comum de gravidez ectópica é alteração da trompa por infecções e inflamações pélvicas.

SE A MULHER ENGRAVIDAR MESMO DEPOIS DE TER TOMADO A PÍLULA O BEBÊ PODE NASCER COM ALGUMA SEQUELA
MITO. Se a mulher tomar a pílula do dia seguinte após já ter ocorrido a fecundação (implantação do ovo na parede do útero) ela não abortará, mas também não terá alterações fetais. Existe um risco pequeno, no caso de fetos femininos, de ocorrer virilização discreta que devem regredir após o nascimento. 

TOMAR A PÍLULA DO DIA SEGUINTE ENQUANTO ESTÁ USANDO ANTICONCEPCIONAL COMUM (SUPONDO QUE A MULHER TOME DE MANEIRA BEM IRREGULAR) PODE TRAZER PROBLEMAS
MITO. Não há necessidade de tomar a pílula do dia seguinte, pois o anticoncepcional comum já é bem eficaz – desde que tomado corretamente. O que pode ocorrer é um sangramento irregular e inchaços persistentes.

HÁ CONTRAINDICAÇÕES EM RELAÇÃO AO USO DESSE CONTRACEPTIVO DE EMERGÊNCIA
VERDADE. Todas as contraindicações para a pílula anticoncepcional servem também para a do dia seguinte, ou seja, pacientes portadoras de distúrbios tromboembólicos, canceres ginecológicos e gestantes não podem tomar a pílula. 

O USO FREQUENTE PODE DIMINUIR O EFEITO DO CONTRACEPTIVO NO ORGANISMO
VERDADE. O uso frequente vai diminuir sua eficácia além de alterar seriamente o ciclo menstrual. É sempre recomendável ser utilizado apenas em casos de emergência, de preferência já nas primeiras horas após a relação sexual desprotegida e no máximo até 72h.  

QUANTO MAIS DEMORAR PARA TOMAR A PÍLULA DO DIA SEGUINTE, MAIOR O RISCO DE ENGRAVIDAR
VERDADE. A eficácia da pílula do dia seguinte está diretamente ligada ao menor intervalo entre a relação desprotegida e a sua ingestão. Portanto, tome o remédio o mais rápido possível. 

A PÍLULA DO DIA SEGUINTE PODE FALHAR
VERDADE. Ela não tem a mesma eficácia que uma pílula mensal.  Os índices de eficácia variam entre 75% e 90%, ou seja, são menores que da pílula tradicional.

A PÍLULA PODE ATRASAR A MENSTRUAÇÃO
VERDADE. A menstruação pode ocorrer até 10 dias antes ou depois da data esperada, após o uso da contracepção de emergência. Porém, geralmente ocorre em até três dias da data esperada. Caso não ocorra a menstruação nesse período, deve-se realizar um teste de gravidez.

O USO DE ANTIBIÓTICOS CORTA O EFEITO DA PÍLULA DO DIA SEGUINTE
AO QUE TUDO INDICA, SIM. Alguns medicamentos, tais como alguns antibióticos, podem reduzir a eficácia dos anticoncepcionais, logo a pílula do dia seguinte também pode ser afetada pelo uso de outras medicações.